O Cordeiro do acaso

 

 

III

 

o moço pastor que ali vem cantar
a sombra que deu
aos montes que têm o rio a passar
outro azul no céu

vê perto seu canto que ouvido se esconde
e é o que ele sabe
mas longe na noite sem fim lhe responde
a mesma verdade

que é a estação fria como está nos ramos
e na lua-cheia
pequeno cordeiro que há anos e anos
ele pastoreia

 

 

poema de Mário Cesariny: Visualizações, III (Manual de Prestidigitação).

Na foto, cordeiro encontrado hoje à porta da Sinagoga de Lisboa.

 

Anúncios

One thought on “O Cordeiro do acaso

  1. cordeiros que não crescem são cordeiros felizes. serão? abandonados ao acaso das ruas de uma cidade, que nem os aceita, tão pouco os entende e muito menos os deseja.

    abraços vários

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s