Revulsão tecnológica

 

 

A internet no Egipto foi cortada aos primeiros sinais da rebelião. No primeiro par de dias o assunto noticioso já não foi a deslumbrante influência que os famigerados feicebuque e tuíter tiveram na revolta, mas a influência que poderiam ter tido (!). Imagine-se a influência que poderiam ter tido na Revolução Francesa. No 25 de Abril, o capitão Salgueiro Maia teria tuítado: «O Sr. Professor não se quer render a uma baixa patente. Vamos esperar com dignidade». Será que o povo, de telemóvel em punho, teria aguentado? Quem seria o primeiro a re-tuítar: «Vamos a ele»? O que se teria perdido em dignidade talvez se tivesse ganho em rapidez, dirão alguns. Ainda que o ganho tecnológico tivesse resultado, curiosamente, numa descida do nível civilizacional.

Todavia, eis que a revolta egípcia teimou em permanecer artesanal, e curiosamente mais eficaz que outras bem tuítadas e feicebucadas, feita à base de ingredientes tradicionais: querer, voz, resistência e risco físico, fogo e pedras. E muito boca-a-boca. Os meios também fortemente tecnológicos e novos da fotografia digital e vídeo muito mais facilitados – para além do telefone «fixo» – não são assunto, obviamente porque já não são tão picantes comercialmente. Em breve, a revolução só será possível com tabletes (que jornalistas e políticos deslumbrados continuam a tratar obsessivamente por um nome comercial), do mesmo modo que ter mais do que um filho só é possível com uma carrinha multifuncional, ou as pazes do namoro só seriam possíveis por telemóvel com videochamada (esta receita parece que falhou enquanto coisa urgente, talvez porque o mercado da sedução aposta bastante no produto descartável e não tanto na recuperação para uso prolongado; ou, ainda mais simplesmente, porque a voz é muito mais prática do que a pose espelho-meu à frente da caixinha de plástico com câmara).

Anteontem, um comentador de tevê gabava-se de poder consultar os jornais internacionais «rapidamente» a respeito da revolta egípcia, graças à sua tablete da empresa Apple (como se não o pudesse fazer de nenhuma outra maneira). A apresentação das eleições presidenciais foi feita de tabletes na mão, e anunciada como tal ao longo de dias, o que manifestamente não teve qualquer utilidade televisiva (à parte a entorpecedora função de teleponto manual, e à parte o lucrativo patrocínio comercial, o único critério substantivo para quem televisiona, como se sabe). O Presidente da Câmara de Lisboa António Costa acabou uma entrevista na rádio escolhendo falar da sua tablete da empresa Apple, em vez de outro tema da cidade (em vez de, por exemplo, responder ao facto de o estacionamento nos bairros circundantes ao Bairro Alto ser totalmente isento de controlo nocturno, e de o recenseamento dos veículos de moradores datar de 1991 (vinte anos), no caso do bairro de São Mamede, ao Príncipe Real, por exemplo, e de os moradores serem sistematicamente vítimas de multas e reboque por não conseguirem estacionar ao fim do dia e à noite, por perderem o «jogo das cadeiras» com os turistas da bebedeira durante as 12 horas de suspensão do Código da Estrada e da Lei do Ruído, aliás não-regulamentada, portanto impossível de aplicar directamente pelas forças de segurança, em nome de alguma qualidade de vida mais urgente). Mas, enfim, este assunto é demasiado local, não tem valor globalizante. Se tivéssemos uma tablete teríamos outra capacidade.

 

 

[note-se como, nas televisões que se apressaram a adoptar o «acordo ortográfico», o Egipto passou a «Egito», mas os locutores continuam a dizer «egípcios», já que «egícios» ninguém dirá; Egito/egípcios – um de muitos casos de desordenamento e estupidez da sinalização etimológica, tal como no caso que interessa ao espectáculo: «espetadores»; é feio, inútil]

 

Um tornado tão pequeno

 

 

 

Na Costa do Marfim, hoje.

 

Onze deram a vida por um resultado eleitoral. Por cá, o (bom) costume. Continua a ser necessário entender as regras do futebol para entender as metáforas políticas: cartão amarelo, fora de jogo, jogar à defesa. Parece que houve um tornado horrível. Mas não há portugueses entre as vítimas.

 

fonte: El País (recorte fotográfico deste blogue)

 

As Massas Construídas

 

 

Teimosamente, continuámos a investigar as fotos da Avenida de Roma passada. A variedade não nos ocupa neste momento.

Tanto os doutores planeadores e empreendedores como os modestos plantadores de prédios acima, todos são anónimos hoje numa fotografia. Moveram massas de terra e ergueram massas de betão que mal nos ocupam a memória imediata.

 

 

Estamos habituados, não precisamos de notar ou sentir o percurso dos prédios no tempo, mais lento que o nosso, mais duradouro. Mas eis a delicada silhueta feminina na varanda, perto do alto poste de madeira provisório. Talvez dure um pouco mais que as massas construídas.

 


 

Gravado a lápis para sempre

 

 

Na semana passada, um amigo achou um escrito de António da Silva Teixeira Electricidade que esta noite faz dezanove anos. Um feito notável, para um escrito a lápis numa parede de um prédio igualmente parado no tempo, na Rua Rodrigues Sampaio. O tema é denso, talvez captado na imprensa internacional à mostra pelas ruas, ou captado, simplesmente. São modestas, as nossas alegrias.

 

Dias de sol dos antigos

 

 

Os noticiários televisivos locais repetiram o truque publicitário da Amazon.com, que divulgou ter vendido, pela primeira vez, mais livros digitais que livros de capa dura. Os jornalistas portugueses saltaram imediatamente para a conclusão de que o papel morreu. Lessem mais papel e saberiam a diferença entre hardbacks e paperbacks. A Amazon quer vender Kindles, e os jornalistas, tal como disse Salvador Dalí a um jornalista português, querem ser mais Dalí que Dalí.

 

Temos estado ocupados. Não fomos indiferentes à agitação política que mudará este país, bem expressa nos abaixo-assinados e movimentações contra o pagamento de estradas prontas e acabadas, nunca questionadas, ou nas duas ferozes manifestações contra a transferência de dois padres.
Corremos departamentos da Segurança Social e das Finanças para resolver uma questão com o Estado. Uma semana de lento progresso, enquanto em Israel se discutia o destino dos papéis de Kafka. O recorde de espera foi o do dia 22: 5 horas no balcão do Saldanha da Segurança Social.
Na chamada Secção de Processo, na Praça de Londres, o chamado beneficiário (os independentes não beneficiam de nada) tem de ficar em pé diante de um balcão de um palmo e três dedos de fundo por três palmos de largura para dispor o seu caso em papéis, com um mínimo de dez pessoas em redor a ouvirem a narrativa dos seus erros ou pedidos.
Uma ideia simples, que proporciona fluidez no atendimento.

 


As pressões do absurdo burocrático que assola os trabalhadores independentes das artes fomos aliviá-las no último piso do centro comercial Acqua, na Avenida de Roma, cuja zona de restauração está rodeada por fotografias da avenida, dos tempos em que o sol mandava e os carros obedeciam.

 

Em cartaz, já sob a sombra de A Sede do Mal, o filme Nathalie [Agente Secreta], de Henri Decoin, 1959, com Martine Carol, a quem só Brigitte Bardot veio ocultar.

 

[fotos em exibição na zona dos restaurantes e na página online do centro]

 

Um miúdo

 

 

Fecharam mais de duzentas escolas no interior norte, por terem poucos alunos, nos anos mais recentes. Agora vão fechar mais. Cerca de mil, até 2011.
Mas esta «reforma» inconstitucional e genericamente anti-democrática não é apenas mais uma vitória da lógica grossista e de menoridade média no nosso ensino. É mais um episódio da desertificação e da desigualdade na distribuição da riqueza e dos direitos.
Entretanto, o pretexto do saneamento económico não tem efeito em relação aos dois mil gestores de empresas municipais num país de tamanho s ou xs.

Em 1839 havia um só miúdo a aprender em Vilarinho de Samardã, concelho de Vila Real. Chamava-se Camilo Castelo Branco.

 

Azuis e Verdes Molhados

 

 

Reuniram em Guimarães, lugar desta foto, tirada meses mais tarde (há três dias). Alertaram com horror contra a divulgação nas escolas da entidade que designam por «sexo sem afectos», o que nos parece fazer alusão a uma forma de aproximação que custosamente muitos de nós temos tentado apurar, nem sempre com contentamento das partes, mas com os seus altos momentos de gratificação não susceptíveis de partilha verbal, muito menos social (curiosa, a conotação ascensional do adjectivo «altos»). Todavia, os que reclamam nunca fazem uma lista minimamente detalhada desses tais afectos que favoreceriam e sublimariam o contacto genital, que nem sequer os preocupará para toda a eternidade. Esse exercício, se bem que bastante interessante, parece-nos complexo, algo arriscado, mesmo para a imaginação livre, a qual, seja como for, não cultivam. Reclamam a sempiternidade do magistério católico, um fenómeno do século XIX, afinal.
Segundo Diarmaid MacCulloch, como já foi muito visto, a cristandade cauciona a posição social do macho heterossexual no quadro social ainda em vigor, assegurando-lhe as posições de liderança incontestada e respectiva escala hierárquica à imagem da Igreja. Parece que a ansiedade renovada deste tipo de conservadorismo cristão e «familiar» mais agressivo tem afinal raiz numa deslocação tectónica de toda a paisagem dos papéis sexuais.
Uma deslocação pouco sensível numa cidade de azuis e verdes molhados aprazivelmente limpa e semi-morta como Guimarães.