Sem Sol (adeus Chris Marker)

Não vale a pena resistir a transformar um blogue num obituário. (Não houve quem provasse com cálculo que o próprio Facebook não tardaria a transformar-se num cemitério? – hão-de resolver isso, com um botão R.I.P. que minimiza desaparecidos; mas quem cuidará das suas hortas?)

Chris Marker deu com François Truffaut na rua. Reconheceu-o de vista como um habitual dos serões de cinema de Paris. Truffaut não pediu ajuda. Andava fugido do serviço militar. Mas Marker (pseud.) reparou no calçado gasto sem meias. E tratou de encaminhar o rapaz.

foto: Chris Marker, Sans Soleil (1982)

Anúncios

Revulsão tecnológica

 

 

A internet no Egipto foi cortada aos primeiros sinais da rebelião. No primeiro par de dias o assunto noticioso já não foi a deslumbrante influência que os famigerados feicebuque e tuíter tiveram na revolta, mas a influência que poderiam ter tido (!). Imagine-se a influência que poderiam ter tido na Revolução Francesa. No 25 de Abril, o capitão Salgueiro Maia teria tuítado: «O Sr. Professor não se quer render a uma baixa patente. Vamos esperar com dignidade». Será que o povo, de telemóvel em punho, teria aguentado? Quem seria o primeiro a re-tuítar: «Vamos a ele»? O que se teria perdido em dignidade talvez se tivesse ganho em rapidez, dirão alguns. Ainda que o ganho tecnológico tivesse resultado, curiosamente, numa descida do nível civilizacional.

Todavia, eis que a revolta egípcia teimou em permanecer artesanal, e curiosamente mais eficaz que outras bem tuítadas e feicebucadas, feita à base de ingredientes tradicionais: querer, voz, resistência e risco físico, fogo e pedras. E muito boca-a-boca. Os meios também fortemente tecnológicos e novos da fotografia digital e vídeo muito mais facilitados – para além do telefone «fixo» – não são assunto, obviamente porque já não são tão picantes comercialmente. Em breve, a revolução só será possível com tabletes (que jornalistas e políticos deslumbrados continuam a tratar obsessivamente por um nome comercial), do mesmo modo que ter mais do que um filho só é possível com uma carrinha multifuncional, ou as pazes do namoro só seriam possíveis por telemóvel com videochamada (esta receita parece que falhou enquanto coisa urgente, talvez porque o mercado da sedução aposta bastante no produto descartável e não tanto na recuperação para uso prolongado; ou, ainda mais simplesmente, porque a voz é muito mais prática do que a pose espelho-meu à frente da caixinha de plástico com câmara).

Anteontem, um comentador de tevê gabava-se de poder consultar os jornais internacionais «rapidamente» a respeito da revolta egípcia, graças à sua tablete da empresa Apple (como se não o pudesse fazer de nenhuma outra maneira). A apresentação das eleições presidenciais foi feita de tabletes na mão, e anunciada como tal ao longo de dias, o que manifestamente não teve qualquer utilidade televisiva (à parte a entorpecedora função de teleponto manual, e à parte o lucrativo patrocínio comercial, o único critério substantivo para quem televisiona, como se sabe). O Presidente da Câmara de Lisboa António Costa acabou uma entrevista na rádio escolhendo falar da sua tablete da empresa Apple, em vez de outro tema da cidade (em vez de, por exemplo, responder ao facto de o estacionamento nos bairros circundantes ao Bairro Alto ser totalmente isento de controlo nocturno, e de o recenseamento dos veículos de moradores datar de 1991 (vinte anos), no caso do bairro de São Mamede, ao Príncipe Real, por exemplo, e de os moradores serem sistematicamente vítimas de multas e reboque por não conseguirem estacionar ao fim do dia e à noite, por perderem o «jogo das cadeiras» com os turistas da bebedeira durante as 12 horas de suspensão do Código da Estrada e da Lei do Ruído, aliás não-regulamentada, portanto impossível de aplicar directamente pelas forças de segurança, em nome de alguma qualidade de vida mais urgente). Mas, enfim, este assunto é demasiado local, não tem valor globalizante. Se tivéssemos uma tablete teríamos outra capacidade.

 

 

[note-se como, nas televisões que se apressaram a adoptar o «acordo ortográfico», o Egipto passou a «Egito», mas os locutores continuam a dizer «egípcios», já que «egícios» ninguém dirá; Egito/egípcios – um de muitos casos de desordenamento e estupidez da sinalização etimológica, tal como no caso que interessa ao espectáculo: «espetadores»; é feio, inútil]

 

As revoluções do Telephone

 

 

A grande novidade que os jornalistas viram na revolta do Irão foi o surgimento das redes sociais como caixa de ressonância. A grande novidade que os jornalistas vêem na revolta da Tunísia é o surgimento das redes sociais como caixa de ressonância. (Chamam-lhes revoluções; fala a geração de jornalistas que não distingue uma revolta de uma revolução.) As visões de futuro agora em campanha vêem… as redes sociais. Voltámos ao entusiasmo pelo Telephone. Entretanto, uma peça de teatro com página no feicebuque junta mais de novecentos amigos… e seis pessoas no segundo dia.

 

Personalização

 

 

amanha2

 

Depois de algumas reclamações de amigos, e após mais umas férias da chamada realidade portuguesa, chegamos para ver a rua animadamente regressada aos princípios dos anos 80.

Nada de novo, sob este sol.

Entretanto, temos a relatar um pequeno episódio português. Ao comprarmos um leitor de dvd externo, para uso com um computador de pequeno formato, ofereceram-nos à escolha dois sólidos rectangulares com gaveta exactamente iguais, um com uma marca coreana e outro com o nome de magalhães em letra pequena, dizem, de tecnologia nacional.

«Olhe, eles são exactamente a mesma coisa, só que este diz magalhães e fica mais barato», disse-nos o vendedor, com genuína simpatia, depois de ter buscado com cuidado no armazém. «Não sei se lhe faz diferença».

Claro que faz diferença. Levámos o mais caro. Explicámos que não queríamos que o leitor de discos nos lembrasse, por um segundo, o programa que assenta no fornecimento de um bem de equipamento (medíocre) a um aprendiz geralmente incapaz de enfrentar um texto durante mais de dez minutos, seja num ecrã, seja numa página de papel impresso.

Um idiota à frente de um computador é um idiota à frente de um computador.

————

… O que nos lembra um dos melhores aspectos da internet: a fuga ao condicionamento televisivo. Uma das nossas últimas entradas saudava, de maneira talvez demasiado concisa, a forma de comunicação conhecida por filesharing: a partilha automatizada de conteúdos de arte & entretenimento.

A nossa informação televisiva, sempre paroquial e alegremente mainstream, festejou vivamente a «prisão» dos responsáveis do site de partilha The Pirate Bay, parecendo contentar-se em exibir um conhecimento absolutamente rudimentar do processo judicial, longe de concluído (para além de uma total ignorância da ferramenta informática P2P, confundida com um dos aspectos do seu uso; porém, o tédio de argumentar sobre isto paralisa-nos).

É normal que a televisão colabore na «televisionação» da internet, ou seja, no condicionamento e racionamento comercial da circulação de todos os conteúdos. A mesma televisão que abdicou, tal como as indústrias irmãs do audiovisual, de muitos dos conteúdos de valor artístico que agora circulam democraticamente, muitas vezes exclusivamente, por sistemas de intercâmbio e divulgação como o filesharing.

Continuamos a receber cadeias de e-mails de preocupação pelas ameaças de estreitamento comercial da internet. Entretanto, a defesa da internet como praça aberta está, precisamente, nas mãos dos que se deixaram arrebanhar em facebooks e myspaces e twitterlands onde são diariamente mungidos de dados de perfil e comportamento por aqueles mesmos que lhes querem lotear o espaço.

O rebanho é fácil de tocar. Um opinador antecipava na nossa tv o futuro da internet 3.0 como um ambiente em que o acesso será «mais personalizado».

A personalização, explicada num português elíptico e assintáctico, era então a adequação das nossas (dele) buscas e escolhas aos nossos (dele) gostos. Ou seja, a personalidade toda de acordo com o manual básico da tipificação de grupos de consumo. O indivíduo enquanto cliente satisfeito.

Ou seja, encurtado o jargão pseudo-técnico e os exemplos complacentes, a personalização equivaleria à velha fórmula de mais do mesmo aplicada a cada um (em complemento da fórmula televisiva de mais do mesmo para todos). Quanto a nós, eis o exacto oposto da personalização, se é que o termo designa um aprofundamento individual, mas em relação com o mundo, e em tudo oposto àquele contentamento obsessivo-compulsivo do admirável mundo 3.0.